Cristianismo: guia básico para desfazer equívocos (Parte 4 - o que é fé?)

http://girdedwithtruth.org/wp-content/uploads/2010/04/Tomb-Stone-Empty-Cross.jpg

Por que falar de fé em um post sobre cristianismo se esse conceito não é restrito a essa crença? Bem, porque, mesmo não sendo restrita ao cristianismo, ela é a base maior para a graça de Deus e para a salvação de todos os que se arrependem de seus pecados. Pela fé em Jesus, ou seja, ao acreditarmos que ao se deixar ser morto Jesus estava pagando o preço pelos meus pecados, eu tenho acesso à anulação da sentença por meus erros: a morte. Com isso, sou salvo da pena capital e posso viver livre de qualquer culpa e pecado. Não é ótimo? "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Efésios 2:8) e também, por esta mesma fé, sabemos que nos reconciliamos com Deus, nos tornando, de fato, seus filhos: "Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus" (Gálatas 3:26).

Mas, antes de continuar, o que é mesmo fé? O melhor conceito já estabelecido para fé é o que encontramos na carta aos Hebreus: "Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem" (Hebreus 11:1). Desse modo sabemos que a fé é uma convicção tão firme que serve de base para aquilo que aguardamos com expectativa, é a comprovação daquilo que não enxergamos com nossos olhos, pois ela não se baseia no mundo sensível (empírico, palpável), mas no mundo espiritual, ou, podemos dizer, no mundo da ideia. Podemos constatar isso pelo trecho de Romanos abaixo:

"Portanto, é pela fé, para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda a posteridade, não somente à que é da lei, mas também à que é da fé que teve Abraão, o qual é pai de todos nós, (Como está escrito: Por pai de muitas nações te constituí) perante aquele no qual creu, a saber, Deus, o qual vivifica os mortos, e chama as coisas que não são como se já fossem. O qual, em esperança, creu contra a esperança, tanto que ele tornou-se pai de muitas nações, conforme o que lhe fora dito: Assim será a tua descendência. E não enfraquecendo na fé, nào atentou para o seu próprio corpo já amortecido, pois era já de quase cem anos, nem tampouco para o amortecimento do ventre de Sara. E não duvidou da promessa de Deus por incredulidade, mas foi fortificado na fé, dando glória a Deus" (Romanos 4:16-20).

Caso Abraão se baseasse em suas possibilidades, certamente não acreditaria que seria pai de muitas nações, pois já velho não conseguia ter filhos com sua esposa Sara, como então, teria descendentes capazes de se proliferar e formar nações? No mundo sensível, ele era incapaz, mas confiou naquele que fez a promessa a ele e, como se já fosse pai de multidões, confiou e teve por certo o fato de que seria abençoado com inúmeros descendentes, assim, no mundo ideal, pela graça de Deus, ele se viu cheio de filhos, netos, bisnetos...

Com essa mesma fé cremos no perdão de nossos pecados e no sacrifício que Jesus fez na cruz. Entendemos que quando Jesus morreu não era apenas um cara bonzinho que fora injustiçado por religiosos e por uma superpotência opressora na periferia do mundo conhecido. Não, ali tivemos o fato mais espetacular da história: Deus, em carne e osso, se deixou ser morto para pagar a pena contra si mesmo que a humanidade deveria receber. E quando Jesus ressuscita não foi a aparição de um espírito, uma alucinação coletiva ou uma mentira bem contada. Cremos que foi a derrota completa da morte e o estabelecimento de uma nova oportunidade de vida sem erros e falhas e cheia da bênção de Deus para nós. Essa é a fé dos cristãos. É a fé, antes de tudo, que tem convicção que Jesus é Deus e que morreu para pagar nossos pecados em nosso lugar e ressuscitou para nos permitir ter uma nova vida nele.

No entanto, mesmo não sendo algo baseado no mundo sensível, é uma fé que pode ser explicada (assim como estou fazendo neste exato momento!). "Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós" (1 Pedro 3:15). A fé é a certeza de nossa esperança de que seremos resgatados por Deus desse mundo corrompido e que Ele irá retornar para tornar novas todas as coisas. A fé se fortalece em nós pela vivência e obediência dos preceitos de Deus. Assim como Abraão, quando obedecemos a Deus, mesmo com medo, com dúvidas ou cientes que humanamente não é possível, somos recompensados com a realização daquilo que Deus nos prometeu. Nesse sentido, através das várias experiências que vivemos, depois do primeiro passo, nossa fé vai se tornando ainda mais firme e palpável e podemos dizer: é assim mesmo porque acontece comigo, sou a prova viva dessa fé.

No início é assim: "De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus" (Romanos 10:17), ouvimos a palavra, acreditamos e somos resgatados. Depois, podemos dizer como os samaritanos: "E diziam à mulher: Já não é pelo teu dito que nós cremos; porque nós mesmos o temos ouvido, e sabemos que este é verdadeiramente o Cristo, o Salvador do mundo" (João 4:42). Através de nossa experiência pessoal com Deus (primeiro, pela obediência; depois, pela série de comprovações que Ele nos dá), podemos ter cada vez mais certa essa convicção em Jesus e em seu sacrifício. Certeza que nos leva à nos arrepender de nossas ações más e vazias e passar a agir de acordo com a palavra de Deus, em obediência a Ele, que é a fonte e o alvo de nossa fé.

E por que, para os cristãos, é importante se arrepender? Não posso ter uma vida sem arrependimentos? Tudo o que fiz não me faz ser quem eu sou? Tentaremos discutir o arrependimento na próxima postagem.


Nenhum comentário:

Postar um comentário