Unodecisões (1/3)

http://2.bp.blogspot.com/_28sKn9j0t-0/SUMT8aO_rKI/AAAAAAAAAIk/VA0NEh2sPfc/s400/encruzilhada.jpg

Cheguei à conclusão, ainda na adolescência, que existem três decisões, entre tantas outras, que devem ser feitas se valendo exclusivamente de sua própria consciência. Não que a opinião alheia não seja importante, ou que os conselhos não sejam bem-vindos: a verdade é que simplesmente não podem ser considerados, pois a ordem destas decisões demanda subjetividade de quem está diretamente envolvido. Explico: existem decisões que podem ser tomadas se valendo da experiência alheia ou do conselho dos sábios, mas as três decisões, de que tratarei em três posts distintos, exigem que a decisão seja tomada valendo-se apenas da consciência do interessado, de seus gostos e desejos pessoais. São decisões pessoais e intransferíveis.

A primeira, tratatada neste post, é a decisão pela carreira profissional. Não adianta o conselho dos pais, amigos, irmãos ou especialistas de mercado quando se trata de decidir que tipo de atividade você irá desenvolver para seu sustento e profissão. Eles podem lhe ajudar a perceber melhor algumas características do mercado profissional, mas o fato é que quem vai ter de exercer o trabalho será o interessado e aí o gosto particular, as habilidades e as oportunidades que surgem é que deverão ser consideradas de forma mais relevante.

Quando decidi deixar o curso de Fisioterapia para cursar Letras, a maiorira das pessoas (mesmo meus pais e familiares) me aconselharam a não largar o curso e seguir até o fim. A verdade é que, por "melhor" que fosse o curso de Fisioterapia em relação ao de Letras, só fiquei de fato realizado ao entrar para o curso que realmente me interessava e hoje me sinto melhor com o rumo profissional que escolhi. Escolhas desta natureza são difíceis, mas são recompensadoras. Fazer o que se gosta, o que se quer, aquilo em que você tem habilidade, é uma benção que Deus nos permite ter.

Lembrei-me agora de Luke Skywalker, insistindo com Tio Owen para deixá-lo ir participar da Aliança Rebelde. Por mais bem intencionado que tenha sido, Tio Owen privou, por um tempo, Luke Skywalker de seguir "seu destino", ou, aquilo que ele realmente poderia fazer bem (e fez). Luke não "ganhou dinheiro" com sua atividade (que nem era profissão), mas garantiu sua subsistência e do resto da Galáxia, ao contribuir para a derrota do Imperador Palpatine, ou Darth Sidious.

É certo que nem todos poderão ter a chance (ou o "luxo") de escolher qualquer profissão ou atividade para seguir; talvez a maioria tenha de aproveitar as chances que surgirem da melhor forma que puderem. Vivemos dias difíceis, principalmente em termos de mercado profissional: cada vez mais disputado, concorrido e exclusivo. Mas tenhamos em mente o seguinte: Deus não nos abandona e conhece todas nossas necessidades e se preocupa com cada uma delas. Se deixarmos, Ele nos encaminhará, ou nos indicará, as melhores oportunidades de atividade para que possamos ser realizados no que fazemos e conseguirmos o "pão nosso de cada dia".

7 comentários:

  1. pois é mano...

    a escolha da profissão pode ser bem fácil, quando você já sabe o que quer desde pequeno, e é incentivado; ou difícil, quando tem dúvidas sobre qual sua vocação ou quando não encontra apoio em sua escolha, quando querem te direcionar para algo que você não quer...

    Acho importante ouvir conselhos, mas realmente é uma escolha pessoal.

    Abração!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. "Iapois". Esse cara aí de cima sabia bem o que queria. Queria cursar história e assim o fez. Pessoas disseram: "com a sua capacidade intelectual você deveria fazer direito". Mas que coisa, menosprezaram mesmo o curso dele!!! Sei que ele está bem satisfeito com sua escolha e Deus o tem abençoado muito e suprido suas necessidades. Não é mesmo, mestre?

    ResponderExcluir
  3. Sim, é verdade. Deus supri todas as nossas necessidades. Às vezes, pensamos que Ele nos abandonou ou que não se importa com esses "detalhes". Normalmente, essas sensações vem quando temos dúvida sobre que decisão tomar. É certo que muitas vezes deveremos esperar pra que Deus nos oriente (com diretrizes) e nos dê paz para seguir no rumo certo.

    Em alguns casos, o rumo profissional que Deus irá dá é seguir mudando de profissão de acordo com o momento; em outros casos, como o de TJ, pode-se ter o direcionamento desde pequeno. O que nos fica é que Deus não nos deixa sozinhos nem desorientados, principalmente quando permitimos que Ele nos fale sua vontade.

    ResponderExcluir
  4. Quem lembrar de onde é a imagem que ilustra o post vai ganhar um pirulito! huahuahauhauhauhau!

    ResponderExcluir
  5. Essa imagem é do filme Náufrago, com Tom Hanks. Aceito uma pizza no lugar do pirulito.

    ResponderExcluir
  6. Huahuahuahuahua!

    Deixa ver: trocar um pirulito por uma pizza. Resposta: Não! hauhauhauhauhaua!

    Mas a resposta tá certa! hehehehe! E foi proposital. Acho que, para alguns, melhor que ler meu texto é assistir ao filme. Ele trata de pelo menos 2 das decisões que irei tratar.

    Ótimo filme. Ótimo fim de filme. Vale a pena para refletir sobre a existência! (Fica a dica aos que buscam sabedoria nas coisas simples).

    ResponderExcluir