Singularidade 1 - Anomalia


"e eu, quando for levantado, atrairei todos a mim" Jo. 12:32

AVISO. Antes de ler este post saiba: Aqui revelo opiniões que não ousam se impor como absolutas, mas creio que são boas percepções da Verdade revelada nas Sagradas Letras.

Quando o Altíssimo criou todas as coisas, as criou diferentes de si mesmo. Toda criação, por não partilhar de sua natureza, apesar de revelar parte de sua glória, estava sujeita a corrupção. Com isso digo que as coisas criadas não são eternas, muito menos imutáveis. Ele as criou para "fora Dele", apesar de estarmos imersos nele. Portanto desde já revelo que não compartilho de uma visão panteísta do universo. Como todas as coisas criadas estão sujeitas a corrupção, não faz sentido achar que todas as coisas permaneceriam inalteradas. Mais dia, menos dia, algo iria acontecer. E Deus em sua onisciência já sabia.

O Criador conhece todas as variáveis da equação do multiverso, embora não controle todas. Isso acontece não porque ele não tenha o domínio de todas elas, mas porque entregou liberalmente o direito de parte dessas variáveis nas mãos de seres criados, e portanto, sujeitos à corrupção. Então se parte dessas variáveis estava sob o controle de seres passíveis de erros, apenas uma "anomalia" poderia afastar toda a criação de seu ponto de origem, sua fonte primordial, levando em consideração os efeitos devastadores da alteração de variáveis relacionadas à ordem e à beleza.

Aquele que conhece todas as variáveis, de maneira que passado, presente e futuro para Ele são a mesma coisa, de antemão preparou algo não apenas para trazer a criação de volta a si mesmo (em caso de um erro fatal) mas para mergulhar o corruptível no incorruptível, atraindo todas as coisas para um único lugar, por um único caminho, em um único momento.

A "anomalia" prevista, como bem já sabia o Altíssimo, aconteceu e o mal foi inserido na criação. Não compartilho da ideia de um dualismo bem/mal no universo, como forças equivalentes que se opõem. Harmonia e desarmonia não se harmonizam, o equilíbrio e o desequilíbrio não se equilibram. O bem é a harmonia, o equilíbrio, e este sempre existiu. Já o mal, é a desarmonia, o desequilíbrio, a inversão da ordem natural das coisas. O bem, como já disse, sempre existiu e existirá. O mal teve começo e terá um fim.

Quando a "Anomalia" surgiu, dentro de um ser criado muito poderoso, ela se alastrou como uma praga no multiverso, espalhando a corrupção pela criação e afastando-a do ponto de origem. Essa praga foi controlada, mas não totalmente erradicada. Enquanto existirem coisas sujeitas à corrupção ela ainda é fatalmente perigosa.

Continua...

3 comentários:

  1. Frater Mazkir!

    Seu conhecimento continua me impressionando! Quando leio estes seus textos eu só lembro da trilogia espacial de C. S. Lewis! Essas ideias que misturam conhecimento sobre o universo, filosofia e lógica... Pô, é muito massa! Estou aquém dete nível de abstração, mas curto bastante!

    O que mais gostei em sua abordagem é que você deixou muito claro, pra quem quiser saber, que o dualismo Bem/Mal é nosso, não de Deus. No mundo espiritual não existe esse lance de bem contra o mal, o bem (que é o equilíbrio, a luz) já venceu o mal, pois o mal não tem como sobrepor-se ao bem. Em nós, criaturas sujeitas à corrupção, o mal pode instaurar-se e vencer, mas fora da criação ele não tem poder algum.

    Muito bom! Me deu vontade também de reler "O grande abismo", de C. S. Lewis (eu já falo nesse homem!).

    ResponderExcluir
  2. Muito bom Coronel! Como sempre!

    Ansioso pelas próximas postagens sobre este tema...

    Falow!

    ResponderExcluir
  3. Caro Mazkir... Extraordinário!!!Noooooooooooooosssssssa!!!

    ResponderExcluir