"Dingue-dongue dilo!"


http://hallofbeorn.files.wordpress.com/2013/02/bombadil.jpg

Um de meus personagens favoritos na trilogia dO Senhor dos Anéis é Tom Bombadil. Não, ele não aparece em nenhum dos filmes que serviram de adaptação à obra do Mestre Tolkien. Só o conhece quem leu os livros ou ouviu falar por quem leu. Mas ele é simplesmente uma figuraça! Um homem (?) simplório e um tanto abobalhado, mas de tal poder e importância, que merece uma visita de Gandalf logo após a derrota de Sauron e o retorno dos hobbits ao Condado. Tom Bombadil não é qualquer um, ele é o senhor da Floresta Velha!

Ei boneca! feliz neneca! dingue-dongue dilo
Dingue-dongue! Não delongue! Largue logo aquilo!
Tom Bom, jovial Tom, Tom Bombadillo.

Não, ele também não é um daqueles senhores de Gondor: austero, sisudo, rígido... Tom é um senhor bondoso, sorridente, espalhafatoso, galhofeiro, risonho e serelepe! Ele salta pela perigosa Floresta Velha e canta impropérios! Ele vê Frodo mesmo quando este usa o Um Anel e chega a colocar o Um Anel no dedo e nada lhe acontece. Gandalf chega a afirmar que ele sequer se importaria com algo como o anel de Sauron, que provavelmente ele se esqueceria dele ou o jogaria fora como quem joga lixo ou uma tranqueira velha de casa! Sim, Tom Bombadil tem preocupações mais importantes na vida: colher os últimos nenúfares do verão para sua senhora! Sim, a bela Fruta d'Ouro! E haveria algo melhor a se fazer?

[...]
Vem, linda boneca, bela neneca! feliz e bela,
Fruta d'Ouro, Fruta d'Ouro, linda amora amarela!
Pobre e velho salgueiro, esconde tuas raízes!
Tom tem pressa agora. Há noites e dias felizes.
Tom de volta de novo, nenúfares carregando.
Vem, linda boneca, bela neneca! Podes ouvir-me cantando?

Para muitos ele é um ser obtuso e ridículo. Um velho gordo e um tanto baixo que se veste de jaqueta azul e uma bota amarela, que sai pulando e cantando pela floresta para recolher plantas aquáticas apenas para colocá-las em uma bacia d'água em que sua mulher (de nome esquisito) colocará os pés. Eu, no entanto, vejo de outro modo: alguém que representa a satisfação nas pequenas coisas da vida. Ele é alguém que está realizado e satisfeito: mora com sua amada em uma floresta perigosa, em uma casa simples, mas que não deseja ou sente falta de qualquer outra coisa. Ele está tão em harmonia que é Senhor da Floresta! Árvores e criaturas da floresta lhe obedecem! E tudo isso sem qualquer prepotência, arrogância ou mesmo gravidade!

Ei, amigos! Vamos logo! Onde se meteram?
Em cima, embaixo, perto ou longe, os pôneis se perderam?
Fuça-fuça, Espanador; e Trombadinha!
Meia-branca, Bolo-fofo e Orelhinha!

Desde que conheci Tom Bombadil, desejei esta mesma alegria e felicidade singela: viver com minha amada  (levando-lhe nenúfares ao fim de todo verão!), em tal harmonia que mesmo cercados de perigos, podemos cantar e saltitar alegremente! (Acho que o abobamento do Tom eu já tenho! hauhauhauhauhau).

Em certo sentido, pra mim, Tom Bombadil representa uma vida plena na Graça de Deus. Acho que não há perigo em interpretá-lo assim. Quando estamos tão mergulhados na Graça, tudo vira um "dingue-dongue dilo!". Existem problemas? claro! O velho salgueiro-homem vez ou outra apronta, mas conhecemos a "canção certa para ele", como diria o velho Tom. Não é que devamos ser alienados em relação ao curso da Terra Média em que vivemos; não, de modo algum, todos nós deveremos ir até a Montanha da Perdição e lançar o Um Anel (a maior das tentações). Mas acredito piamente que quanto mais próximos da atitude "abobalhada" de Tom estivermos mais tranquilo será o "jogar fora o Anel do Poder". Tom Bombadil tem a ver com a manutenção da ternura e com a alegria dos pequenos prazeres. Tom Bombadil tem a ver com experimentar o "tudo é vosso!" como algo prático, a ponto de sermos "senhores" e "senhoras" de velhas florestas (velhos cotidianos) com seus "salgueiros-homens-de-riachos-de-desilusão" ou seus "mortos-da-colina-do-passado-que-nos-atormentam".

Caso tenham oportunidade, leiam O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel e tentem ver, como eu vi, alguém plenamente realizado com as coisas simples da vida e que representa, de certa forma, a harmonia de quem vive na Graça de Deus: Tom Bombadil.

O velho Tom Bombadil é mesmo bom camarada;
Azul-claro é sua jaqueta, a bota é amarelada.


5 comentários:

  1. Depois de ler seu post caro frater Wes, tenho algo a fazer. Devo por melodia aos versos de Tom Bombadil!!

    ResponderExcluir
  2. LEGAL!!!

    Sempre quis cantarolar as musiquinhas do velho Tom, mas não sou bom em melodias e não tinha ninguém para me apoiar nessa maluquice! Agora tem! Êêêêê! Só frater Mazkir mesmo!

    Já fiz vários versinhos a la Tom Bombadil, mas sair cantarolando será muito melhor!! Depois te passo o repertório completo do Bombadil (só coloquei alguns versinhos no post).

    Master Porfírio terá de conter a vergonha de me aturar cantando na rua enquanto conversamos! hauhauhauhauahu! (Depois de "Mellorine! Mellorine!" talvez seja até melhor, não é Master?)

    Ótimos amigos, bons fratiros, dingue-dongue dilo!

    ResponderExcluir
  3. quauquauquauquauquauquauquauquauquauquauquauquauqua!!

    Caros Fraters, onde está o velho Mestre Porfírio?
    Não o vejo,serão meu olhos? Devo usar um colíro?
    Queira Porfírio se revelar! dingue-dongue dilo!
    Ou será que você foi engolido por um crocodilo?

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Gostei muito dos versinhos! Mas o Master Porfírio já tem comentado no blog, brother! Deixe de pegar tanto no pé dele! Dingue-dongue, não delongue mais isso!

    hauahuahuahuahuahauhau!

    ResponderExcluir
  5. Que post maravilhosamente lindo,, nobre WesMaster! Parabéns!!

    ResponderExcluir