Falta de absurdo


Ao acordar de manhã, deixei-me observar a chuva seca que caía sobre a terra molhada, e, no âmago de minhas reflexões constatei: é por isso que quando o povo avança é que ele anda para trás, pois o progresso sempre vai atrás do que está na frente do que está do lado. Então exclamei: “Mas o que vale é o que importa, pois eu sei que isso é um negócio que é porque é, pois se não fosse não era”. 

Um pouco aflito fui esquentar o juízo refrescando-me ao sol, fugindo de toda sombra quente debaixo do pé de alface. Até que resolvi contemplar o céu, e nele ver o fundo do mar. Nossa, que visão fantástica! Ver os peixes a voar na sua ação predatória natural contra as aves que enchem o oceano. Muito saudoso recordei-me: “Se eu fosse e não tivesse ido, teria ficado sem estar lá, mas nestas horas fica muito claro a razão do nada sempre ter todas as coisas”. Então retornei-me a mim mesmo para casa, entrei pela porta da frente, que na verdade fica do lado da casa, atrás da porta dos fundos. Lancei-me no cabide e deixei cair a roupa na cama e desejei que no dia seguinte o mar pegasse fogo e que eu pudesse comer peixe frito e camarão acebolado.

4 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!

    Muito bom! Psicodélico total!!! hauhauhauahuahuahuahua!

    Fiquei extremamente feliz com o post!!! É muito bom absurdar-se de vez em quando!

    Valeu Melífluo!

    ResponderExcluir
  2. Loucura!
    Embora eu já conhecesse esse lado louco do Marco!

    Será que são os 25 anos de idade pesando????

    PAZ!

    ResponderExcluir
  3. KKKKKKKKKK² Esse seu humor me diverte!

    ResponderExcluir
  4. massa !!!!!!!!!
    ps: troca a cor da font vey!

    ResponderExcluir