O século XXI e o pensamento cristão


























Caros leitores, vocês com certeza já ouviram a frase: "Ah, isso é relativo!". Ou algo do tipo: "Essa é a sua verdade, não tente impor isso pra mim!" Se alguém aí já ouviu, então já teve contato com as tendências atuais do pensamento humano.


Estamos em uma época de incertezas. No mundo contemporâneo "tudo é relativo". O relativismo é um dos pilares do ideário popular mundial. A partir daí não existe verdade absoluta, apenas verdades provisórias, e não existe certo nem errado, não é possível fazer juízos de valor, uma vez que não se pode ter certeza de nada. Isso é o relativismo.


O século XX foi um período de certezas. Do ponto de vista ideológico, o mundo estava dividido em dois grandes blocos: o capitalista, capitaneado pelos EUA, e o socialista, liderado pela antiga União Soviética. Era a época da Guerra fria. Os dois blocos tinham visões de mundo distintas, modos de vida diferenciados, e eram guiados por doutrinas filosóficas que explicavam o mundo e buscavam trazer uma solução para os problemas do mundo. No entanto, em 1989 o muro de Berlim caiu, e junto com ele a Guerra Fria. Em 1991 a União Soviética foi desmembrada, ruindo com todo o bloco socialista. O grande sistema marxista mostrou-se frágil, o projeto socialista falhara. Mas não foi só isso. O mundo que se erguia no pós guerra fria não era melhor que o anterior. O capitalismo e a ideologia liberal não forneciam as respostas necessárias para a compreensão do mundo. As pessoas ainda viviam tristes, solitárias, em um mundo cheio de pobreza, violência, injustiça e desigualdade. Era como se os grandes sistemas filosóficos fossem incapazes de explicar o mundo. Como se as verdades nas quais todos haviam acreditado no século XX se mostrassem falsas.


O século XXI começa marcado por esse contexto. As pessoas não querem mais acreditar em verdades eternas, elas se desiludiram com as promessas da modernidade, que não se concretizaram, e mergulharam em um mundo de incertezas, onde não há certo ou errado, moral ou imoral.


Outra característica importante no mundo de hoje é o subjetivismo. A valorização do sujeito, em detrimento do grupo, o individualismo, o egoísmo. Neste sentido, a verdade é uma verdade do sujeito. Cada um crê no que quer e ningfuém tem nada a ver com isso. Assim, existem as verdades pessoais de cada um, não uma verdade absoluta, que deve ser crida e conhecida por todos.


As raízes do subjetivismo são milenares, mas é no século XVIII, com o desenvolvimento do capitalismo e o advento da doutrina liberal que ele vai ganhar força. A doutrina liberal prega o individualismo, a busca pela satisfação das necessidades pessoais, por que é centrada na figura do sujeito. Tudo, no liberalismo, gira em torno do sujeito, e do seu bem estar. Então o indivíduo cresce em relação ao grupo, e tudo passa a ser subjetivo.


Tanto o relativismo quanto o subjetivismo são conflitantes com o pensamento cristão. Enquanto o relativismo diz não existir verdade, Jesus se declara a Verdade (Jo 14:6). Ele também diz: "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará" (Jo 8:32). Enquanto o subjetisimo valoriza o ego, e faz o indivíduo se agarrar com força em seu mundo, seus sentimentos e suas ideias, jesus ensina: "Quem quiser vir após mim, negue-se a si mesmo" (Mt 16:24a).


Os prejuízos da ideologia contemporânea são inúmeros, uma vez que ela é diametralmente oposta ao que a Bíblia ensina. A fé é requisito básico para quem quiser conhecer a agradar a Deus (Hb 11:6).


O diabo tem colocado suas ideias, na presente época, ideias perigosas, ideias antibíblicas, de modo a dificultar a pregação do evangelho e manter as pessoas presas ao engano. O mundo está corrompido com valores e princípios antibíblicos. Esta é, na verdade, a razão de um mundo cheio de sofrimento e dor. No entanto, a Palavra de Deus nos mostra uma forma de nos mantermos livres e limpos da corrupção: "Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis a boa, perfeita e agradável vontade de Deus" (Ro 12:2).


Assim usando a Palavra de Deus como critério, é possível entender a realidade e conhecer a Deus, e escapar das aflições e angústias do presente século.

8 comentários:

  1. O relativismo é uma armardilha mental. Ele o coloca em uma grande planicie verdejante, que inicialmente, passa uma agradável sensação de liberdade, mas, sem a presença de cercas,sem referenciais, logo vem a sensaçao de estar andando em círculos. Então se vai a aparente liberdade e vem a terrível sensação de se estar perdido.

    ResponderExcluir
  2. Grande TJ!

    Ótimo post! Sintetizou com muita precisão e discernimento dois grandes males de nossos dias. De fato, por causa destas duas armadilhas os valores, os princípios e a moral foram degenerados (isso é tão certo que essas palavras são vistas quase como palavrões!).

    Eu iria ainda mais longe que frater Mazkir...

    Eu diria que o relativismo é semelhante a ser solto no espaço sideral. A ilusão de liberdade é ainda maior. Talvez o brilho das estrelas e a beleza dos planetas, vistos de fora, do meio do espaço, passem a sensação de que o sujeito está livre de qualquer "prisão" e, ao mesmo tempo, pode contemplar e "usufruir" de tudo.

    Ledo engano. No espaço não há vida (assim como no relativismo), não há nada (considerando o espaço puro como a região fora dos planetas, estrelas e demais corpos celestes).

    É necessário atmosfera, massa delimitada, gravidade, etc. (coisas que podem ser consideradas como "limites" e/ou "verdades rígidas") para que a vida se desenvolva.

    Qualquer coisa fora disso está fadada à morte (e o pior: por "livre escolha").

    ResponderExcluir
  3. O relativismo é tão limitado que não percebe que por repudiar a existência de uma verdade absoluta qualquer torna-se inconsistente e incongruente a si mesma. Uma vez que para definir como fundamento que TUDO é relativo, torno isto absoluto por consequencia.
    Vejo no entanto que alguns pontos sobre o relativismo podem nos ser muito úteis para entender o mundo, pois concordo que uma "verdade" ou um valor ou julgamento, torna-se variável a depender do contexto temporal ou social do povo em questão. Isto não se aplica a nossas verdades completas, mas nos permite entender a mente do mundo perdido e das pessoas inseridas nele. Eles não possuem referencial, não possuem expectativas, não possuem verdades...
    Nós temos a verdade, a fonte de água viva, e o mundo está sedento.
    Quebrar a aparente lógica do relativismo e tocar corações é um dos nossos desafios constantes neste mundo associado com o cuidado de estar de pé e não cair e o de não ignorar "jabs" do inimigo de nossas almas.
    Parabéns pelo post, TJ!!!
    Só vou fazer uma pequenina observação no comentário do nobre Master Nicácio: o espaço contém a vida. Teoria dos conjuntos. Não adiantaria ter massa, gravidade, atmosfera etc, se não estiver inserida em um local (espaço), enfim... é "relativo" kkkkkkkkkkkkk
    Alguém sacou o toque no lado negro??? Mowahaha

    ResponderExcluir
  4. Toque! Você apaupou o lado negro! Bu...
    hum...teoria dos conjuntos! Tem razão!

    ResponderExcluir
  5. Sim, não é possível ver planetas, estrelas e demais corpos celestes fora do espaço. Tudo isso está contido no espaço; não há discussão sobre isso. O ponto que frisei foi a região entre essas coisas, ou seja, o não lugar. (Nisso acho que a teoria dos conjuntos é falha, pois parte de uma visualização em 2D e não em níveis - melhores para apreender a noção de "não lugar")

    O não lugar, que chamei de espaço sideral (o vácuo), é exatamente o lugar do relativismo e aí é que a vida não é possível (e nisso eu desafio qualquer um a inspirar profundamente no espaço, ou cultivar bactérias, ou deixar uma platinha crescer e dá frutos... acho que o sarcasmo já deu! - C. S. Lewis que me perdoe por ir contra sua concepção tão vitalícia de espaço!!!).

    Sem dúvida, o relativismo tem seu lado positivo, até mesmo pra nós, cristãos. Como C. S. Lewis dizia as coisas não tem um caráter duplo por serem assim, mas por que nós, que as utilizamos, temos este caráter. Acho que o relativismo pode ser bom, para nós, quando podemos entender, atraves dele, a multiforme sabedoria de Deus, impossível de se apreender pelo homem.

    Um exemplo claro disso é que nunca podemos dizer como é que Deus fala aos homens, pois são diversas as formas e tentar fixar um molde para Deus é inconcebível (basta lembrarmos como Deus falou com Elias, Davi, Moisés, Isaías, Ezequiel, Maria, Pedro ou Paulo; cada um de uma forma específica e diferente).

    Nesse sentido, o da impossibilidade de apreendermos o todo (tanto da existência, quanto de Deus), que é uma das bases do relativismo, Mestre Paulo de Tarso é pioneiro na observação. Ele já dizia, em sua primeira carta aos coríntios, no capítulo 13 que "Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos; Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado".

    ResponderExcluir
  6. Poxa!

    Esses caras são bons mesmo! Parabéns pelos conhecimentos demonstrados, e obrigado pelos elogios!

    Abraço!!!

    ResponderExcluir
  7. Bem, faltou um comentário mais aprofundado sobre o individualismo.

    Acredito que a distância entre as pessoas está aumentando, embora as formas de se comunicar tenham se desenvolvido de uma forma espantosamente rápida e diversa.

    Isto porque uma coisa nada tem a ver com a outra. Os homens se individualizam, ou se tornam egoístas, não por falta de meios de comunicação, mas por centralizarem tudo em si mesmos. Cada um tem uma "verdade", uma "visão de mundo", e assim ninguém é capaz de entender o outro, pois é quase um alienígena.

    Tudo está em relação ao sujeito, como disse TJ, de forma que as demais pessoas não constituem unidade com o sujeito (sobre isso o post de Melífluo é referência) ou são parte dele, mas são exterior ao mundo do si mesmo.

    O individualismo tem seu ponto positivo. Ele permite que nós paremos pra ver que muito do que está errado em nossa vida depende de nossa subjetividade de como temos agido e não de fatores externos a nós mesmos.

    No entanto, o que existe hoje é o isolamento social das pessoas, como se elas não vivessem em sociedade e como se cada um nada interferisse no outro.

    Isso é algo importante que se perdeu, com o individualismo e o "politicamente correto": cada um pode e deve fazer o que quiser e ninguém deve interferir porque se trata da "felicidade" do outro. O ser humano é um ser social, um ser que se constitui e aprimora pelo relacionamento de uns com os outros. Devemos dar e receber influências uns dos outros. Isolar-se é o caminho para a morte.

    ResponderExcluir